Anastasia: entrevista com os compositores do musical da Broadway

À esquerda, Stephen Flaherty, e à direita, Lynn Ahrens, compositor e letrista, respectivamente, da trilha sonora de Anastasia, o musical da Broadway.

Stephen Flaherty e Lynn Ahrens, compositor e letrista da trilha sonora de Anastasia

A trilha sonora do musical Anastasia é fascinante. Não é à toa que a dupla que compôs as músicas do espetáculo da Broadway, Stephen Flaherty e Lynn Ahrens, foi nominada ao Oscar pelas canções da animação homônima da FOX de 1997 e pela música “Journey to the Past”. Em uma entrevista exclusiva ao WePlann, os compositores de Anastasia nos contaram um pouco sobre suas trajetórias e sobre a criação de músicas para shows da Broadway.

Stephen Flaherty é compositor e escreve as músicas para piano, bem como as melodias para todas as vozes. “Eu sempre escrevi músicas e contei histórias por meio delas. Acho que sempre fui um dramaturgo cuja primeira linguagem era a música”, disse Stephen. Ele começou a tocar piano aos 7 anos e escreveu seu primeiro musical aos 14!

A letrista Lynn Ahrens, por sua vez, começou sua carreira escrevendo texto de anúncios, o que a levou a escrever músicas para comerciais infantis e jingles. Após fazer uma oficina de teatro musical, ela conheceu Stephen. “Nós começamos a trabalhar juntos em 1983 e não paramos mais!”, disse Lynn.

Anya cantando a música "Journey To The Past", do musical Anastasia, da Broadway.

Anya cantando a música “Journey To The Past”, do musical Anastasia

Stephen e Lynn venceram diversos prêmios, inclusive um Tony Award, e têm trabalhado há mais de 30 anos juntos escrevendo canções para teatro musical. Eles atualmente têm dois musicais em cartaz na Broadway: Anastasia e Once On This Island.

Das 25 faixas do álbum de Anastasia, apenas cinco foram adaptadas do filme animado para o palco. Uma vez que um novo enredo foi desenvolvido, novas músicas foram escritas e as antigas foram repensadas. “A alegria de escrever um novo musical é escrever as músicas novas!”, disse Stephen. Confira a música “In a Crowd of Thousands”, uma das novas composições para a versão teatral da história:

 

“É isso que as pessoas amam em Anastasia – todas as emoções.” – Stephen Flaherty

Qual é o processo de adaptar músicas e criar músicas novas para uma história que já existia, como Anastasia?

STEPHEN: Nós geralmente sabemos a história com antecedência, ou pelo menos temos uma ideia de como ela vai ser. Nós trabalhamos lado a lado com Terrence McNally (autor) desde o primeiro dia, falando sobre a história, tema, enredo e ajudando a dar forma à nova versão do material do filme. Uma vez que fizemos isso, Lynn e eu começamos a compor as novas músicas e adaptar as músicas do filme. Ser um compositor de teatro significa que a história e o personagem sempre vem primeiro. Uma vez que havíamos criado um primeiro esboço da trilha sonora e script, nós convidamos nosso diretor, Darko Tresjnak para entrar na equipe. Darko tinha muitas ideais visuais, bem como ideias dramatúrgicas. Ele era o colaborador ideal. Cena por cena e música por música, o musical cresce.

Quais são os desafios de escrever canções para um musical da Broadway?

STEPHEN: Você deve se lembrar de que o público vai ouvi-las em tempo real, então você precisa ser muito claro nas suas intenções. Em outras palavras, um público ao vivo não pode “rebobinar” para ouvir a passagem novamente! Nós queremos que você sinta algo no teatro, seja alegria, risos ou lágrimas. O objetivo de todo compositor é criar músicas que soem verdadeiras para o personagem que as está cantando. O desafio é encontrar o equilíbrio entre o que o personagem quer dizer e o que o público quer ouvir. É isso que as pessoas amam em Anastasia – todas as emoções.

E qual foi o maior desafio de Anastasia?

STEPHEN: Ser fiel e proteger não apenas os personagens que as pessoas amam (e com os quais muitos cresceram) mas também da história e cultura russa. A adaptação teatral é muito mais verdadeira que a versão da animação cinematográfica. No entanto, o maior desafio com Anastasia foi saber quando parar de escrever! Nós podíamos ter escrito mais dez músicas!

Stephen Flaherty, compositor da trilha sonora de Anastasia, o musical da Broadway.

Stephen Flaherty, compositor

Como vocês apresentam uma música para os atores pela primeira vez? Como acontece o primeiro ensaio?

STEPHEN: Quando nós sabemos que uma canção vai estar no show, nós geralmente trabalhamos em conjunto com o diretor de música (ou maestro) para ensiná-la. Nós apresentamos algumas das canções principais aos atores quando eles fazem uma audição para a produção. As candidatas a Anya cantaram várias das músicas produzidas para Anya, por exemplo. Nós começamos a formar vários pares de Anyas e Dmitrys para callbacks. Foi tão empolgante ver nossos personagens em três dimensões pela primeira vez!

Para o primeiro ensaio nós geralmente fazemos uma leitura na qual os atores leem as cenas e os compositores cantam a maior parte do material. E os compositores não são cantores profissionais! Então dali pra frente só melhora!

Se é um solo para uma estrela, eles têm um tempo a sós conosco para aprender antes de cantarem para os outros, e nós conversamos com eles sobre o porquê de termos escrito a música para o personagem que eles estão interpretando e o que ela significa. Se é um número de grupo, todos sentam em uma sala de ensaio com suportes para partitura e são ensinados em grupo pelo diretor de música. Nós ficamos de lado para responder perguntas. Uma vez que todas as músicas foram ensinadas, o diretor começa a ensinar a encenação e coreografia.

A música é conectada aos sentimentos na sua essência. O que você faz para entrar em contato com o sentimento que você quer transmitir com as músicas que você compõe?

STEPHEN: Eu me coloco na pele do personagem. É como um “método de interpretação para o ator”, mas ao contrário. Uma vez que eu estou imerso na sensação que o personagem está tendo na cena, naquele momento específico, a música surge naturalmente. Eu também crio olhando para fotografias, pinturas e outros atributos visuais que me dão “pistas” de como o mundo deveria ser e a sua sensação. Eu então traduzo esse sentimento em som. Eu sei: a música é misteriosa.

Lynn Ahrens, letrista da trilha sonora de Anastasia, o musical da Broadway.

Lynn Ahrens, letrista

Como você se sente depois de ver a música sendo interpretada ao vivo pelos atores e a orquestra?

STEPHEN: Eu me sinto a pessoa mais sortuda do mundo. Como se eu estivesse flutuando em uma nuvem.

LYNN: É uma sensação incrível ouvir os atores pegarem as músicas para si (especialmente porque eles sempre cantam melhor que o Stephen e eu!). O melhor dia de ensaio é o ensaio especial chamado sitzprobe, quando os atores cantam cara a cara com a orquestra e todas as músicas ficam completas. Normalmente todo mundo fica em prantos, é emocionante! Foi um dia maravilhoso em Anastasia!

Como foi sua pesquisa para aprender sobre os personagens e a história de Anastasia para escrever as músicas?

STEPHEN: Eu escutei muitas músicas de Coral Russo e folk, bem como ballet e música sinfônica, estudando as cores e caráter das músicas. O Segundo Ato se passa na Era do Jazz em Paris, um mundo completamente novo com uma sonoridade mais moderna. Essa parte também foi bem divertida.

LYNN: Eu li incontáveis livros – a história da família Romanov, a impostora que na vida real tentou convencer a realeza de que ela era a princesa perdida, a história da Revolução Russa, etc. Tudo que você lê te dá ideias para especificidades nas músicas – coisas que fazem as músicas e os personagens ganharem vida. Há uma música em Anastasia chamada “My Petersburg” (Minha Petersburgo), que surgiu da minha pesquisa sobre a cidade.

“Eu também crio olhando para fotografias, pinturas e outros atributos visuais que me dão “pistas” de como o mundo deveria ser e a sua sensação. Eu então traduzo esse sentimento em som. Eu sei: a música é misteriosa.” – Stephen Flaherty

Como você entra em contato com o personagem quando você cria as letras? Como você faz para saber o que cada personagem diria?

LYNN: Essa é uma ótima pergunta. Escrever para personagens é um processo muito intuitivo. Eu tento entender tudo que eu posso sobre eles – qual é seu nível de educação, como eles vivem, que tipo de trabalho eles fazem, quais são seus problemas. Eu escuto como eles falam em suas cenas e o tipo de linguagem que usam. Eles são de classe alta ou são pobres? Eles têm sotaque? Usam gírias? Aos poucos, eu começo a sentir o personagem e suas palavras começam a surgir para mim de forma natural. O objetivo é sempre fazer com que os personagens soem como eles mesmo, não como eu. Muitas vezes, Stephen escreve um pouco da música primeiro, o que sempre me dá ideias.

Você tem um método específico para criar as rimas? Quais técnicas você usa na sua escrita?

LYNN: Eu sempre tento usar “rimas ricas” (não rimar “mine” com “time”, por exemplo, que é pobre). E a não ser que um personagem seja muito sagaz e culto, eu tento não rimar demais. Eu quero que as rimas soem como uma fala normal, mesmo que não seja. Algo que enriquece qualquer tipo de escrita é o uso de imagens. É por isso que “Once Upon A December” é uma música tão famosa, por exemplo. Você pode fechar seus olhos e ouvi-la que as imagens vão preencher sua cabeça. É sempre bom para um escritor realmente olhar para o mundo e tentar descrevê-lo com uma linguagem colorida e vívida.

Ficou com vontade de assistir ao musical? Não deixe de comprar seus ingressos para Anastasia, em Nova York, com antecedência no WePlann para garantir os melhores lugares!

Escrito por Natália Grandi, jornalista e tradutora que ama conhecer novas culturas e viajar, seja com os livros ou com a mochila nas costas. É criadora de Conteúdo no WePlann.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *